terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

KOA´E -

Livro: KOA´E
Autor: Luís Serguilha
Capa: Aquarela de Ivani Ranieri

Música ocular de Serguilha
Marcelo Moraes Caetano
Escritor, crítico literário, doutorando em literatura comparada
(Julia Kristeva,Universidade Sorbonne)

A obra de Serguilha não teria subjacentemente, o papel de elo entre a matéria clássica e exata e a nova matéria arquetípica e antiqüíssima das físicas e matemáticas inexatas e a filosofia, a teologia e as artes? Teoria-ontologia-TEOLOGIA?Acaso não se percebe, nos significantes e na sua emergência, em Serguilha, uma harmonia desarmônica e/ou enarmônica entre Ciência, Teologia, Artes e Filosofia? Definitivamente, sim. Em outras palavras, assim como a gênese da física quântica aponta para um aparente paradoxo e pressupõe o conhecimento do classicismo em termos de física (a mecânica e a álgebra, aritmética e geometria clássicas) assim também são os significantes de Serguilha: buscam no Arché clássico a plenipotência para transcender-se a mecânica e, mecanicamente, ir ao estado de ondulações em que o que está em pequena escala se comporta de modo diferente do que está em grande escala, mas de modo que, exatamente por sua diferença, os iguala nisto: o universo é diferença e só na diferença das diferenças (a arquimetalinguagem vista por outro telescópio ou por outro microscópio?) sobrevive a plenitude a que se chega pela música ocular de Serguilha
Eis o poeta em seu vôo cósmico
Sueli Aduan

Ler Serguilha é como adentrar a mata densa na origem dos tempos, a lua já alta, trazendo consigo o cheiro da terra molhada, de flores minúsculas, de ervas do campo, de girassóis distantes, de sons e silêncios. Ouso dizer que não o lemos com os olhos, mas com o corpo todo numa vibração frenética, solvendo cada palavra, signo dos signos, imagem das imagens, correspondências que nos fala Baudelaire, cheiros e cores, vida e morte, forma da formas. Eis o poema, eis o poeta, eis o corpo. E no corpo do homem a linguagem. Linguagem essa que é a busca desse poeta, incansável em sua trajetória, em seu mergulho no inexprimível, no indizível, no desconhecido, na gestação obscura para procurar a sua origem, o seu silêncio, sempre num processo regenerador, mitológico. O sonho poético reanimando o mundo das primeiras palavras como sugeriu Bachelard e que com propriedade completaria: “No sonho cósmico nada fica inerte, nem o mundo nem o sonhador. Tudo vive uma vida secreta de que tudo fala sinceramente”. A mesma propriedade do poeta Luís Serguilha, que vestido da leveza de quem anda descalço pelas areias da praia e sente o fino grão tocar-lhes os pés, nos diz: apenas tento enfrentar o infinito, a indeterminação, o não-sentido, com a respiração do desejo e da transgressão imaginária. Nessa sua caminhada em que muitos, como eu, buscam de longe acompanhar na ânsia de que pequenas gotas do mar que é Luís Serguilha venha refrescar nossos corpos sedentos de fusão libertadora, da vida verdadeira, que está ausente, relembrando Rimbaud. Com palavras que são travessias da dança cósmica, Serguilha vai nesse movimento equilibrado perpetuando sua escritura, palavras grávidas de símbolos. Linguagem viva e criadora, pulsares de paixões, o sonho dos signos, o sonho das células, o sonho dos amantes, no falar de Novalis. Serguilha sabe que é preciso conviver com o poema inteiro, com seus ritmos pulsando, com as iluminações de suas imagens, com as estruturas e suas geometrias, com as conteslações de seus significados, os múltiplos sentidos tão belamente expostos nos poemas de Quintana, e que muito provavelmente o poeta português tenha conhecimento, ainda com escritas tão díspares. Construtores da palavra, tanto um quanto outro, Quintana com seu verso: “Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês”. Poemas – Borboletas, Mario Quintana. E Serguilha em seu vôo cósmico, Condor feito homem, homem poeta na dança da noite e do dia que está para nascer.

LUIS SERGUILHA nasceu em Vila Nova de Famalicão, Portugal. Poeta e ensaísta, suas obras são: O périplo do cacho (1998), O outro (1999), Lorosa´e Boca de sândalo (2001), O externo tatuado da visão (2002), O murmúrio livre do pássaro (2003), Embarcações (2004), A singradura do capinador (2005), Hangares do vendaval (2007), As processionárias (2008), Roberto Piva e Francisco dos Santos: na sacralidade do deserto, na autofagia idiomática-pictórica, no êxtase místico e na violenta condição humana (2008), KORSO (2010), Possui textos publicados em diversas revistas de literatura no Brasil, na Espanha e em Portugal. Alguns dos seus textos foram traduzidos para o espanhol, inglês, francês, italiano, alemão e catalão.

2 comentários:

Lord Vader disse...

Sou editor do blog Ensaios e Manifestos e de passagem por aqui , gostei do teor dos textos. Gostaria de convidar o autor a conhecer a proposta e o teor do blog , assim como está convidado a nos enviar um texto de tema livre para a postagem , dentro do espírito do Blog de ser um banco de idéias , ensaios e manifestos
www.ensaiosemanifestos.blogspot.com
[ ]s !

sueli aduan disse...

Obrigadíssima, Lord Vader.

Será um prazer conhecer, e tb enviar um texto para o blog.

abraços,
sueliaduan