quarta-feira, 22 de junho de 2011

Eu sei...


 A vida sempre está por um fio. Eu sei e você, caro leitor, também o sabe. Essa frase, lugar comum, clichê como tantos que esquecemos no corre-corre da vida moderna e só muito remotamente ousamos olhá-la de frente. Talvez por sabermos de nossa impotência, nossa precariedade frente aos mistérios do viver. Mas há dias que esse mistério, sem pedir sequer licença, sorrateiramente se instala em nosso coração.

Foi de manhãzinha, como de costume caminho até a rodoviária, o trajeto não é longo e a beleza predomina — jardins bem cuidados, flores das mais variadas, ipês amarelos, roxos. Sigo totalmente indiferente aos passantes, ao movimento da avenida, e quando dou por mim estou dentro do ônibus comodamente sentada pronta para apreciar outras belezas da estrada. E meu olhar se detém em pequenos riachos, nas plantações, nos sítios, o gado no pasto. Um homem com sua enxada, roupas nos varais, verde muito verde a perder de vista.

E, lá no fundo girassóis pequenos, grandes, balançando ao vento, imponentes, majestosos. Meus olhos, como num passe de mágica, se enchem desses pequenos sóis, meu pensamento viaja na velocidade da luz. Já não estou não sou. Tudo agora são imagens. Imagens de quando eu não mais existir. Pensamentos de que eu posso não voltar. Um acidente e a morte como fato consumado. A casa que ficou para trás, o cachecol que não terminei, o poema inacabado, o almoço aos domingos, as risadas dos filhos, os gatos, os amigos, o bar, o ir e vir, a alegria de ser. Agora não é nada.
E tudo era tão real.


 

4 comentários:

Toninhobira disse...

Belissimo exercicio amiga nesta terrivel fatalidade da morte que não avisa e nos deixa por terminar uma infinidade de coisas,que julgavamos poder-se-ia serem feitas amanhã.E o amanhã às vezes fica tão distante.Se eu soubesse...
E a vida por um fio, ou mesmo esticada sobre uma abismo numa corda bamba onde passar é o desafio.
Muito bom Sueli.Parabens.
Bju de luz nos seus dias.

sueli aduan disse...

Obrigada,Toninhobira.

É muito bom ne amigo "parar e pensar" nessas fatalidades, pois " vamos aprendendo" a ficar mais "leves" menos "apegados". E,já que tudo nos escapa, quem sabe,aproveitamos melhor nossos momentos.

bju de luz nos seus dias tb (lindo isso):o)

Toninhobira disse...

Ah, gostei da imagem tambem.
Bju.

sueli aduan disse...

É uma imagem linda sim, Toninhobira.
E, sabe que eu gostaria de morar num lugar desses, mas só depois dos 80 anos kkkk.


forte abraço