sábado, 15 de outubro de 2011

Professor, um encontro com o outro

Disponibilidade à vida e a seus contratempos. Estar disponível é estar sensível aos chamamentos que nos chegam, aos sinais mais diversos que nos apelam, ao canto do pássaro, à chuva que cai ou que se anuncia na nuvem escura, ao riso manso da inocência, à cara carrancuda da desaprovação, aos braços que se abrem para acolher ou ao corpo que se fecha na recusa. É na minha disponibilidade permanente à vida a que me entrego de corpo inteiro, pensar crítico, emoção, curiosidade, desejo, que vou aprendendo a ser eu mesmo em minha relação com o contrário de mim. E quanto mais me dou à experiência de lidar sem medo, sem preconceito, com as diferenças, tanto melhor me conheço e construo meu perfil .
Paulo Freire
1999



Professor, um encontro com o outro

Uma palavra veemente, e ao mesmo tempo suave, que muitas vezes ouvi quando menina: — leitura. Ler tornou-se assim algo constante em minha vida. A princípio somente uma maneira deliciosa de afastar-me de tudo e de todos. Mas como o tempo tornou-se uma necessidade vital. Ler, então, era o meu maior prazer.
Passava horas e horas na biblioteca ou mesmo no fundo do quintal embaixo da velha mangueira com o livro que, às vezes, chegava a cair das minhas mãos tamanho o cansaço. Acordava assustada com minha mãe que sorrindo fechava o livro. E eu seguia cambaleando para dentro de casa a sonhar como o final da história

Hoje relembrando esse fato penso que tornar-me professora, já estava presente na minha infância não só pela paixão aos livros, mas por acreditar no sonho, no diálogo, no questionamento, na flexibilidade e no envolvimento com as pessoas.
Na época eu não tinha a exata noção do significado dessas palavras na vida de todos nós seres humanos, mas foi através das brincadeiras com os amigos que vivenciei cada uma delas: — no faz de conta dos sonhos, nas conversas e acordos, na aceitação das nossas diferenças e no desejo de estar juntos.

Às vezes percebo coisas que faço em sala de aula que aprendi nas brincadeiras da infância, a infinita curiosidade que eu tinha em descobrir palavras novas, em observar o contorno de cada uma delas, em recortar dos jornais palavras belas e depois no silêncio arranjá-las quase a formar versos. Estão presentes, nas situações que crio hoje com meus alunos, futuros professores, quando os instigo a pesquisar incansavelmente prosa e poesia de grandes autores, no exercício diário da arte da escrita, na paixão pela palavra e no prazer inenarrável da reflexão.
Ser professor é um grande desafio. Desafio próprio da profissão. Para mim, é também um caminho, um belo caminho, um encontro comigo mesmo, com meus questionamentos, com minha visão de mundo, e, que de uma maneira maravilhosa me possibilita o encontro com o outro.
Um grande aprendizado.
 
 

3 comentários:

Toninhobira disse...

Eu sempre cri, que professores tem uma luz a mais,que os fazem diferenciados na percepção e assim fazer acender em cada aluno a propria luz.Dificil arte, ardua missão.Parabens amiga pela passagem do dia, mas minha admiração pela bem desenvolvida profissão como parte de sua vida.
Mas me desgasta ver o tratamento dado aos professores no sistem de ensino do país,fora da rede privada.
Sempre minha admiração como leitor assiduo.
Uma bela semana de paz e alegrias.
Bju.

sueli aduan disse...

Belíssimas palavaras,Toninhobira.
gratíssima.Somos eternos aprendizes.


E só posso concordar com você realmente não há a devida valorização por parte do Estado,às vezes até da própria sociedade que, enxerga como "sacerdócio" e não como profissão. Felizmente trabalho no setor privado, mas durante 30 anos estive na rede estadual lutando com os colegas.

sueli aduan disse...

Toninhobria,

Uma bela semana de paz e alegrias. É recíproca essa admiração, então.

BJUS