terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Era noite em mim.


Um homem passou ao meu lado
na noite barulhenta.
Era noite em Londres, em Madagascar,
na América.
Era noite em mim.
Era encontro um quase esbarrão


era o choque
era o não romântico
era antes a crispação
de um desejo súbito.
Imperioso


Era o instantâneo erótico,
era o talvez nunca.
Para onde iria fugidia beleza
Daquele olhar que me fez renascer?
Ousada toca de olhares anônimos.


Transitoriedade
cidade
noite.


4 comentários:

Katia Mota disse...

A questão dos amores instantaneos... eu gosto disso...

sueli aduan disse...

Eu também...rs
"Marcam para sempre...

Marinês disse...

Ai Sueli...sempre vou pedir desculpas...por aquela performance que fiz dessa sua poesia...

Troca de palavras...frio na barriga...nervoso...etc..etc...etc...

sueli aduan disse...

E eu sempre vou "te" agradecer! Adorei! Foi
linda...corpo/voz/presença.
Hum, não queira a perfeição.
Faremos outras e outras e outras...é so querer.
bjus