terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Aos primeiros acordes



Dançar sempre foi o meu forte nunca imaginei que pudesse, naquela noite tranqüila, vir à tona algo a tanto adormecido Não, não comigo que sempre deslizei pela pista alheia a tudo ao meu redor e feliz com meu parceiro de anos e anos. Um bailarino de primeira.
Bom, talvez aquela noite fosse à reservada para mim, como dizem os místicos, para viver o que de antemão já estava previsto.
A verdade é que eu não acredito nessas coisas, não. Mas depois dessa noite tornou-se impossível viver sem uma ponta de mistério que fosse.
Como em todas as outras noites aprontei-me vagarosamente me detendo em cada detalhe procurando sentir cada gesto. Do simples passar do baton ao delicado amarrar da fivela da sandália um arrepio percorria todo meu corpo como se eu estivesse me preparando. Um quase ritual. E foi.
Aos primeiros acordes da orquestra, ele olhou-me profundamente nos olhos, puxou-me bruscamente pela cintura e senti seu braço forte me enlaçando. Depois seus lábios levemente encostaram-se ao meu rosto.
Algo adormecido em mim de há muito veio à tona.


4 comentários:

Katia Mota disse...

Não resiti...rs...
Doce...

Bom, talvez aquela noite fosse à reservada para mim, como dizem os místicos, para viver o que de antemão já estava previsto.

Gostei disso... (embora... saiba do meu ceticismo, na literatura é tão belo...)

sueli aduan disse...

hã hã!

Tente na vida é mais belo ainda.


bjus

cristinasiqueira disse...

Dançar ,sempre previsto nós é que adiamos.
Delícia de texto!o ritual é o fazer-se em dança.
Sueli querida ando meio que atordoada de vida e dai...sumi.Só para aparecer depois.Beijos.

sueli aduan disse...

Obrigada,Cris.

Fico feliz que tenha gostado e não suma,não. Adoro seus comentários.

E quando vai me telefonar pra marcarmos cafezão. rsrs