quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

"Não há piedade nos signos"


Fala
Orides Fontela

Tudo
será difícil de dizer:
a palavra real
nunca é suave.

Tudo será duro:
luz impiedosa
excessiva vivência
consciência demais do ser.

Tudo será
capaz de ferir. Será
agressivamente real.
Tão real que nos despedaça.

Não há piedade nos signos
e nem no amor: o ser
é excessivamente lúcido
e a palavra é densa e nos fere.
(Toda palavra é crueldade.)

Orides Fontela nasceu em São João da Boa Vista, interior de São Paulo, em 21 de abril de 1940. Começou a escrever poemas aos sete anos de idade. Formada em Filosofia pela USP, foi professora do primário e bibliotecária em escolas da rede estadual de ensino. Publicou Transposição, Helianto, Alba, Rosácea, Trevo 1969-1988 e Teia. Recebeu o prêmio Jabuti, em 1983; e o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte

título da postagem :sueliaduan

4 comentários:

dana paulinelli disse...

Muito, muito bom!!
Depois dos 3 tipos de palavras que vc me apresentou (algébricas, mecânicas e pneumáticas), agora essa tese que jamais esquecerei: não há piedade nos signos.
Parabéns pelas escolhas de leituras e obrigada por compartilhá-las conosco.
Abraço grande!

Katia Mota disse...

Nossa.... forte.....

sueli aduan disse...

É, essas palavras são maravilhosas mesmo, quanto prazer e sabedoria esses autores geniais nos dão, não é? ´
GRANDE ABRAÇO.

sueli aduan disse...

Concordo Katia, fortíssimo.