sexta-feira, 30 de março de 2012

Sorriso Amarelo


O risco a que me permiti desde cedo foi, ou melhor, foram todos. E, aos desavisados, digo que não me refiro a nenhum ato inconsequente, nenhuma loucura juvenil. Não que essas não estivessem presentes. Mas, todas tão pueris: — uma aula cabulada, um beijo roubado no escurinho do cinema, pequenas mentirinhas, às quais, minha mãe nomeava de mentiras brancas.  Dizia assim, pois elas não faziam mal a ninguém.

E, como nessa época, ainda que houvesse preconceito racial, não era comum associar certas palavras ao negro. Seu uso era geral.  Minha avó costumava dizer: — hoje amanheci com o coração negro, e todos sabiam que não era nenhuma alusão pejorativa.  As cores, na nossa família, sempre estiveram presentes para falar dos sentimentos. Minha tia falava em verde de raiva. Meu avô em roxo beslicão. Acredito que só eu mesma optei pelas palavras para demonstrar minha perplexidade diante de um mundo conservador.

Mas, o risco ao qual me refiro foram as difíceis decisões tomadas, as escolhas feitas frente ao que me chegou.  Um olhar afiado e um coração inquietante. E a certeza de que o preço a pagar seria imenso.  Nada que meu ser não estivesse disposto a aceitar. Viver sempre foi para mim um ato de assumir quem somos e como somos. O que queremos e como queremos. Um gesto de humildade para dizer não, quando muitos dizem sim às conveniências e ao engodo. Pois, como dizia meu pai, em tardes como aquelas,  repletas de cores, de prosa e de poesia, não se deve viver com um sorriso amarelo estampado no rosto.

4 comentários:

Mari disse...

a vida se reescrevendo em cores e prosas versos e flores.

sueli aduan disse...

Sim. Que lindo comentário, querida.

abraços.

Toninhobira disse...

Menina,gostei desta prosa colorida e carregada de reflexão sobre o poder de decisão em ser e fazer para crescer.Voce cresceu em meio as cores e hoje pode olhar para trás e ver o verde que plantou.Estas associações de cores nos sentimentos é no minimo curiosa, gostei da se seu pai.
Bela inspiração neste rememorar.
Voce brilha com todas as cores do arco-iris.
Carinhoso abraço e bom fim de semana.
Saiba da minha admiração por seus escritos laboratoriais,mas de alma.
Beijo de luz nos seus dias.

sueli aduan disse...

Eu fico satisfeitíssima com seu comentário(sempre)tão carinhoso,
Toninhobira. E,como sabe,no "ficcional" há muito do real, do vivido.E cresci ,felizmente,às voltas com tudo isso, havia tantas outras associações ...,uma delícia. E meu pai a figura central nisso tudo, uma pessoa carismática, apreciador da boa música,de silêncio, adorável o velho. Adoro rememorar esses momentos.

Carinhoso abraço e excelente fim de semana. A admiração é mútua.Aprecio "por demais" sua perfeita escrita.
bjus.