sexta-feira, 11 de junho de 2010

    Corpo lugar da Alegria
"Um pensar em Deleuze e Vinícius"
Houve um tempo, há muito, muito tempo em que a alegria era pura mania,e, as palavras usadas eram efetivamente vividas na loucura do dia-a dia e do encontro, encontro como parte da vida.
Essa mania: bom delírio, delírio do poeta, delírio do contemplador, delírio do pintor que descobre a cor, era só o que existia, feito a uma bailarina que só pode dançar na ausência do pensar, ausência do saber-se finita. Medo da morte, e então perder-se no movimento do corpo lugar da alegria.

"...é melhor ser alegre
que ser triste
a alegria é a melhor coisa que existe
é assim como a luz no coração......,
mas pra fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza,
senão, não se faz um samba não...."

2 comentários:

Katia Mota disse...

Engraçado hoje li um texto de um amigo queridíssimo chamado Bailarina... comentei com ele que tinha sido meu sonho de menina... hoje todos me perguntam... Vc foi bailarina?;... acho que ficou impregnado meu desejo.

Preciso dançar eu acho....

bjs

sueli aduan disse...

Pois é,"Bailarina" é um bom "mote", tenho uma poesia com o tema(acho que conhece), o Ignácio de Loyola Brandão tem um livro delicioso:- "Veia Bailarina", aliás,o processo criativo desse livro é maravilhoso. Disse ele:- que estando internado no hospital p/a uma cirurgia delicadíssima, a enfermeira não conseguia pegar a veia....ficava dançando. Bingo:" Coisas de Gênio" kkkkk

Dance sim, faz um bem :o)
bjs