segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Observância



Observo a xícara.
Que sinto ao observá-la?
Uma xícara.
Apenas uma xícara,
Apenas um quadro,
Apenas uma fresta,
Apenas esse som melancólico.
Apenas o existir.
O tempo parado nesse quarto.
A solidão do ser.
A certeza de ser só.
Só com o sentido das palavras.
Explicação do mundo.
E a xícara?
Branca, porcelana.
O bem - estar do chá.
A dor do pensamento.
Não cabe na xícara, não sai pela fresta.
Apenas uma xícara.
E toda solidão do mundo

10 comentários:

dana paulinelli disse...

Belo, Sueli!

sueli aduan disse...

obrigada! vindo de vc fico entusiasmadíssima.
bjus

Adriana Karnal disse...

lindo Sueli,
quando estamos solitários uma xícara é apenas uma xícara.Parece que tudo perde a poesia.

sueli aduan disse...

Obrigada!!!
Adriana poeta de mão cheia: "..uma xícara é apenas....

bjus

Gian Fabra disse...

existencial, transcendental
e ainda assim uma xícara

adorei
bjs

sueli aduan disse...

Obrigada! Gian Fabra

Eu adorei a sua percepção do poema
bjs

ju rigoni disse...

"A dor do pensamento.
Não cabe na xícara, não sai pela fresta."

Belíssimo poema, Sueli!

Obrigada por sua visita e suas palavras. Bjs e inté!

sueli aduan disse...

Obrigada Ju rigoni!

Visitarei sempre! Gostei muito do seu blog.
bjus

cristinasiqueira disse...

Belo poema Sueli.

Mergulhas o olhar na xícara e lá no raso lês o mundo.
E dosas a porção de açucar.

Beijos,

Cris

sueli aduan disse...

Obrigada Cris,

Bárbaro isso em vc criar versos com seus comentários.
bjus