terça-feira, 18 de maio de 2010

Poesia: "O nada que é Tudo"

“Lutar com palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal  rompe a manhã. São muitas, eu pouco. Algumas, tão fortes como o javali. Não me julgo louco. Se o fosse, teria poder de encantá-las..." O lutador" Carlos Drummond de Andrade

"Certa vez o escritor argentino Santiago Kovadlof narrou que era adolescente quando entrou na sala de aula um professor que começou dizendo: “Quero lhes comunicar que sou professor de filosofia. E que filosofia não serve para nada” Isso posto, diante da perplexidade dos alunos, acrescentou: ─ “Peço-lhes apenas alguns minutos de atenção que vou lhes explicar o que é o nada”. Ao final da aula, diz Kovadlof, o seu futuro estava decidido: seria professor de “nada”, ou seja, de filosofia. Pois com a poesia ocorre algo semelhante. Dizem que a poesia não serve para nada. E, no entanto...
Quando lhe disserem que a poesia não tem mais lugar nesse mundo dos diabos (porque no dos deuses sempre tem), não acredite. Quando lhe disserem que no planeta continuam erguendo muros para separarem homens e culturas, observe que a poesia ainda pode congregar vozes e esperanças. ...
Chomsky – esse cientista da linguagem narrou que um certo lingüista, assistindo a leitura de poemas em línguas que não conhecia, era capaz de dizer quais eram os melhores e piores poemas ...
Os editores dizem que poesia não vende, que poesia não rende, que ninguém compra poesia, que poesia não se negocia na bolsa e valores, então, Senhores do conselho de Sentença, dizei-me vós, por que cresce cada vez mais o número de poetas sobre a terra? Se poesia não serve para nada, e se “lutar com palavras é a luta mais vã, por que milhões de poetas recomeçam essa luta “mal rompe a manhã”?
Na verdade ,na verdade vos digo: há mais poetas hoje que ontem, e amanhã haverá mais poetas que hoje. E o caso da poesia é o mesmo da arte me geral. A poesia, como a arte, não morre nunca, porque mais que um gênero literário, é uma “função" da mente humana...".

Ensaio
Poesia:  "O nada que é Tudo" Affonso,Romano De Sant’ Anna
Revista Leitura nº. 11-/Dezembro 2003-
Esse texto, na integra, será usado na minha palestra Dia 20/05/2010
na Biblioteca de Sorocaba

4 comentários:

Katia Mota disse...

Só uma coisa a dizer dona Su....
Não sei viver sem isso. Qdo eu não enxergar mais poesia em tudo que vejo... morro.

bjs

sueli aduan disse...

Bela(íssima)"fala" dona Kátia...
bjs

Olha o que nos diz o queridíssimo Suassuana:-
"Na Literatura que me entusiasma, a Poesia é sempre o chão sagrado no qual a prosa Armorial viceja".

Rodrigo Della Santina disse...

Entendo que o "não servir para nada" significa que a poesia não é um objeto de utilidade como um microo-ondas, uma geladeira, um coador de café... Entendo que signifique que a poesia seja algo maior, cuja função é, estimulando os sentidos do leitor, ampliar o raciocínio, a lógica, o intelecto e a alma do homem. Nesse sentido a poesia, bem como a arte, não possuindo utilidade, é útil. Mas não, daí o "não servir para nada", nesse sentido usual das coisas.
E, realmente, há mais poetas hoje em dia. Mas, na minha opinião, isso não é bem um motivo de alegria, porque a maioria dos poetas de hoje não é boa.´É difícil a poesia hoje.
Bacana o texto.
Abraço,

sueli aduan disse...

É um texto excelente,bacana mesmo. Eu gosto muito desse escritor, grande poeta.

Poesia-
É difícil,claro,por isso mesmo devemos ler...ler..pesquisar, conhecer e por aí. :O)

abs