terça-feira, 11 de maio de 2010

"Escrever e ser"

                                             articlelar                                                               
O que define o escritor é justamente a capacidade ─ ou pelo menos o esforço ─ de transformar em palavras a experiência autêntica do “verbo interior”, aquela fala muda que, segundo Sto. Tomás, vem do coração, compreendido em sua acepção simbólica de núcleo da consciência, de centro vivo da individualidade moral.
Na maior parte das pessoas, a expressão em palavras vem de um estrato mais superficial, verbalizando apenas aquilo que já veio meio pronto das recordações de conversas ouvidas ontem ou do noticiário matutino. O conversador ordinário troca palavras por palavras. O escritor transforma em palavra aquilo que ainda não é palavra e que já não é mais pura sensação corpórea: a forma inteligível apreendida in statu nascendi, na fonte mesma do conhecimento.
A tão louvada ou execrada ─ mas raramente compreendida ─individualidade do estilo provém exatamente disto: do caráter originário e autêntico do verbo interior transmutado em exterior.
Nesse sentido, um escritor nada “cria”, mas “encontra”; encontra dentro de si, em estado fugaz e nebuloso, uma idéia latente, que a conversão em palavra torna patente ─até para ele mesmo. Se algo o escritor inventa, é no sentido latino de invenire: descobrir.
Daí que, nele, a verbalização tenha aquele poder curativo e revigorante que o homem comum só vem a conhecer em raros momentos de descarga confessional. A verdadeira escrita literária é uma tomada de consciência, uma conquista de si ─ e é individual precisamente por isso e por nada mais.
                                         

3 comentários:

sueli aduan disse...

Desculpe-me Rodrigo Della Santina, ocorreram problemas com meu blog e e-mail. Fui tentar arrumar e acabei deletando alguns artigos, inclusive alguns comentários. Não foi possível eu ler teu post só vi a chamada pelo e-mail. Escreva!!!
abs

Rodrigo Della Santina disse...

Não foi nada de mais, minha cara, apenas concordei com o texto e o elogiei, dizendo ser um belo texto: muito coerente e direito. Perguntei o autor, pois não vi o nome e se era seu.
Parabéns de qualquer forma pelo texto, ou escolha dele.
Abraços,

sueli aduan disse...

Que bom que compreendeu,às vezes, eu invento de querer mudar "algo" no blog e acontece dessas, mas sou insistente tento até conseguir.:o).
Quanto aos textos/posts, já deve ter notado, que jamais deixo de mencionar o(s) nome(s)do(s) autor(es)constate,verifique, e vai ver que mesmo nas ilustrações costumo dar o crédito. É o correto, todos deveriam agir assim.
forte abraço.